Vários Autores - A Nave Espacial pdf

 Vários Autores - A Nave Espacial pdf 




Coletânea com 5 contos de ficção científica com os melhores escritores do gênero, entre eles, Isaac Asimov e Arthur C. Clarke.. # A Nave Espacial # Estranhas Coisas # Cidades Fantasmas # Crime na Ficção # Os Desamparados



A Nave Espacial pdf 

A FICÇÃO CIENTÍFICA
As opiniões dos ficcionistas científicos se dividem, hoje, entre
duas posições distintas, assim como, em princípio, o real se opõe ao
imaginário: de um lado a preocupação de, simplesmente, "adivinhar"
o futuro, e de outro a busca de novos modelos de sociedade, "uma
tentativa desesperada de recuperar o mundo a partir do caos", como
afirmou M. Blanchet a respeito da obra de Hermann Hesse e que
vale, também, como referencial à moderna ficção científica.
O desenvolvimento das ciências tem sido tão impressionante
que resta apenas, aos defensores da primeira posição, uma postura
de verdadeiros adivinhos de realidades absolutamente, totalmente
imprevisíveis. E é justamente a isso que se contrapõe o segmento
de autores com visão social, justamente aquele mais criativo e
produtivo atualmente, um reflexo claro do crescente interesse pelos
altos e baixos visíveis nos gráficos da sua própria civilização,
entendida como o mundo que cerca e no qual vivem esses
ficcionistas.
Na verdade, nada tão simples como descrever reações, usos e
costumes de horrendos (ou maravilhosos) homenzinhos verdes com
antenas espalhadas pela cabeça — a personificação usual dos
"marcianos". À ficção científica pode-se creditar virtudes que vão
além do pequeno mundo de imaginação e fantasia do leitor leigo,
que nem sempre identifica, num retrato quase fiel — em termos
sociais, políticos e econômicos —, as restrições da sua vida e
época, as impossibilidades que o cercam e as dificuldades da
sobrevivência digna.
A partir do fundo social, psicológico de uma nova proposta é que
surgem, junto a outros autores, críticos e até mesmo aos leitores os
antagonismos da conceituação da ficção científica, de resto
suficientemente discutível como, por exemplo, a busca dos pontos
comuns entre linguagem jornalística e linguagem literária.
A que serve a ficção científica, afinal? Ela não pode ser
encarada como mera decorrência do progresso científico e
tecnológico e do "excesso de imaginação" de alguns escritores, que
optaram por dedicar a ela os seus trabalhos, e relegada a condição
idêntica de produto a um tubo de dentifrício.
Daí, então, a posição de muitos autores, que encontram na
ficção científica a possibilidade de projetarem a sua visão de mundo,
sua interpretação da realidade, as propostas e alternativas para uma
sociedade mais próxima à ideal e justa na sua concepção.
Mas, é claro, nem sempre o modelo proposto conduz,
exatamente, a uma sociedade não conturbada. Mesmo porque a
visão social do autor pode chegar ao delírio do caos total, o que não
deixa de ser, por sua vez, um reflexo bastante real das
possibilidades do mundo nos anos que correm projetadas no futuro:
mortalidade infantil, guerras (frias ou convencionais), falta de
alimentos, lucro desmesurado usufruído por minorias privilegiadas,
destruição ecológica, desemprego, etc.
Esse "passo à frente" da ficção científica — o seu enfoque
psicológico, social — é uma manifestação recente. Em artigo
publicado há menos de vinte anos, O. M. Carpeaux reafirmava a sua
ojeriza pelo gênero: "(...) Essa literatura de cordel fornece ao leitor
comum todas as trivialidades, horrores, sentimentalismos, etc. que a
literatura exclui cuidadosamente dos seus enredos (ou de sua falta
de enredo). A "science-fiction" faz questão de não tocar nunca em
problemas psicológicos ou questões sociais. Ao embarcar para o
espaço, perde o contato não só com a Terra mas também com a
realidade (...)"
Carpeaux, evidentemente, reformulou, razoavelmente, seus
pontos de vista em relação à ficção científica na medida em que
conheceu obras com outras preocupações que não a fantasia pura e
simples, que fogem daquilo que ele designou de "(...) literatura
pseudo-religiosa, literatura de edificação do homem que já não
suporta sua solidão no Universo(...)"
É certo, no entanto, que a ficção científica é livre e especulativa,
não mais atrelada, rigidamente, como no século passado, a
postulados rigorosamente científicos na sua abordagem do futuro e
do fantástico. Mesmo porque a ciência cresceu geometricamente
desde então — "Tratando-se de artes e ciências — convenceu-se o
físico Robert Oppenheimer —, não há alternativa senão tornarmonos
profetas".
Assim, à medida que a ciência envereda — em função do seu
próprio e gradual desenvolvimento — por caminhos tão aleatórios
como inimagináveis, vemo-nos às voltas com uma literatura de
ficção científica que não se dá muito ao trabalho de descrever os
seres e suas características, o tipo de armas e roupas e a infraestrutura
de comunicações e transporte do ano 3001, por exemplo,
o que representaria, novamente, mais um conformista exercício de
adivinhação.
A ficção científica, hoje, utiliza menos o recurso de sofisticados e
inescrutáveis aparelhinhos e de fantasiosas viagens interplanetárias
para, cada vez mais, transformar-se em verdadeiro laboratório de
estudos sociais, políticos e econômicos, trazendo ao leitor novas
concepções de sociedade ou, então, como afirmou G. Lapouge,
"tentando levar às suas últimas conseqüências, a seus limites
extremos, os modelos de sociedade existentes, como se
estivéssemos num laboratório social onde se agisse pelo método da
simulação".

Download pdf

Ahmed Zayed

Hello all My name is Ahmed Zayed I am Egyptian.I am very interested about languages, animals,Drawing,Comics and history also I like to write a short stories about our lives I am writing because I would like to share what I am thinking about with people who even far from me and for me this the way that people can communicate so finally I could bring my books over here I wish that every one will read will like and I will support u with many more books I am waiting for your feed back

Postar um comentário (0)
Postagem Anterior Próxima Postagem