William Shakespeare - Medida por Medida PDF

 


A peça 'Medida por medida' de Shakespeare é composta de contrastes e contradições. Os personagens exibem uma enorme quantidade de incoerências humanas, os temas se sucedem com aspectos conflitantes formando uma tragicomédia erótica e política. 'Medida por medida' se debruça sobre a natureza da autoridade, o funcionamento da psique e a difícil situação do homem face à vida e à morte. O eixo da peça é a idéia de moderação aplicada aos relacionamentos humanos.

William Shakespeare - Medida por Medida PDF 

Cena I
Quarto no palácio do duque. Entram o duque, Escalo, nobres e
criados.
DUQUE — Escalo!
ESCALO — Senhor!
DUQUE — Pretender explicar-vos o que sejam princípios do
governo, parecera de minha parte apenas falatório carecente de
nexo, porque tenho razões para saber que vossa ciência, neste
particular, transcende a quanto vos pudesse eu dizer. Resta-me
agora, portanto, somente isto para vossa capacidade — sim,
que a tendes muita — deixando que ela opere. A natureza de
nosso povo, as normas do Direito, como as instituições, desta
cidade vos são tão familiares como a quantos de meu
conhecimento que a arte e a prática hajam feito notórios. Eis as
nossas instruções, que deveis cumprir à risca. Chama, ou
melhor, vai logo dizer a Ângelo que venha aqui. (Sai um criado.)
De que maneira credes que ele substituirá nossa pessoa.
Porque, sabei, nossa alma com carinho muito particular o
escolheu para ficar em nossa ausência, conferindo-lhe nosso
terror, vestindo-o de bondade, provendo-o, como a nosso
substituto, de todos os recursos inerentes à nossa força. Que
pensais do caso?
ESCALO — Se há alguém em Viena de tamanha graça e tal
honra, sem nenhuma dúvida é lorde Ângelo.
DUQUE — Vede-o. Aí vem vindo.
(Entra Ângelo.)
ÂNGELO — Como obediente escravo da vontade de Vossa
Graça, venho para vosso prazer ficar sabendo.
DUQUE — Ângelo, em tua vida indícios se notam que revelam
a quem te examinar, toda tua história. Nem tuas qualidades te
pertencem, nem tu próprio a ti mesmo, para a vida gastares só
com elas ou as virtudes contigo apenas. Faz o céu conosco
como com a luz, que a si não se ilumina. Se nossas qualidades
não saíssem de nós, seria à justa como se elas não existissem.
Todos os adornos de uma bela alma valem tão-somente por
seus nobres efeitos, não cedendo jamais a natureza um só
escrópulo de suas excelências, sem que exija para si, como
deusa previdente, no jeito dos credores, não só os juros, mas
também gratidão. Estou falando a quem conhece bem a
natureza de minha situação. Ouve, pois, Ângelo: Sê
plenamente Nós em nossa ausência. O castigo e a demência,
agora, em Viena, só te pendem do peito e do discurso. O velho
Escalo, embora em tudo seja primeiro, é teu segundo. Eis o
mandato. (Entrega-lho.)
ÂNGELO — Meu bondoso senhor, é conveniente que seja
posto o meu metal à prova antes de ser impressa nele efígie tão
grande e nobre.
DUQUE — Nada de evasivas! Depois de reflexão madura e
calma foi que vos escolhemos. Vosso título deveis, pois, aceitar.
A nossa pressa de partir é tão viva, que somente se vê a si
própria, descurando assuntos de qualquer outra espécie. É
nosso intento dar-vos notícias, quando concitar-nos a isso o
tempo e os negócios, esperando saber o que hajais feito. E
agora, adeus. À grata execução ora vos deixo de nossas
ordens.
ÂNGELO — Consenti, milorde, que eu vá convosco em parte
da viagem.
DUQUE — Minha pressa não o deixa, nem deveis, para honrarme,
preocupar-vos com pontos de honra. Achais-vos apto,
agora, para fazer como eu, soltando rédeas à lei, ou retraindoas
à vontade. Dai-me a mão. Vou sair às escondidas. Amo o
povo; contudo, não me agrada representar para ele; embora
corra tudo bem, não confio em seus aplausos rumorosos e
vivas entusiásticos, bem como nego o nome de discreto a quem
sói procurá-los. E, ora, adeus.
ÂNGELO — Que o céu dê provimento a vossos planos.
ESCALO — São vos leve e feliz vos traga logo.
DUQUE — Muito obrigado. Adeus. (Sai.)
ESCALO — Desejara, senhor, que liberdade me désseis de
falar-vos, pois importa perscrutar, até o fundo, o meu encargo.
Disponho de poder, mas ainda ignoro sua espécie e extensão.
ÂNGELO — Comigo se dá o mesmo, retiremo-nos, para juntos
tratarmos desse ponto, que se há de esclarecer.
ESCALO — Vossa Honra o manda.
(Saem.)

Download

Ahmed Zayed

Hello all My name is Ahmed Zayed I am Egyptian.I am very interested about languages, animals,Drawing,Comics and history also I like to write a short stories about our lives I am writing because I would like to share what I am thinking about with people who even far from me and for me this the way that people can communicate so finally I could bring my books over here I wish that every one will read will like and I will support u with many more books I am waiting for your feed back

Postar um comentário (0)
Postagem Anterior Próxima Postagem